Pular para o conteúdo principal

Sabe AQUELE quadradinho?

Estive pensando durante uma prova: o mais difícil é responder as questões ou pintar aqueles "quadradinhos" com a caneta? 

Além de não poder olhar para os lados com medo de que imaginem que estamos colando e ficarmos com dor no pescoço de tanto olhar para baixo, ainda temos que preencher aqueles torturantes "quadradinhos" no fim da prova! Isso enquanto "brigamos" com a pessoa da carteira de trás que insiste em invadir o nosso espaço embaixo da cadeira. Colocamos os pés para trás e a pessoa estica os pés para frente. Encontro de pés. Ao sentirmos os pés da outra pessoa, sentamos corretamente, sem esticar ou colocar as pernas embaixo da cadeira.

É impressionante como os avisos impressos na folha do gabarito fazem eco em nossas mentes, algo como: Preencha CORRETAMENTE os quadradinhos. NÃO RASURE. NÃO RASURE. NÃO RASURE. NÃO ERRE. NÃO ERRE. NÃO ERRE!

A preocupação é tão grande que os riscos de errarmos no preenchimento do quadrado são altas.

"Calma. Você já leu um milhão de questões liquidificadoras de cérebro, já respondeu estas questões e fez um milhão de "X", por que agora, nessa brincadeira de preencher espaço você iria errar? Vamos lá, prenda a respiração. Prendeu a respiração? Prendeu? O que? Por que você soltou? Olha ai! Você podia ter errado! Já imaginou se você solta a respiração com tudo e simplesmente desliza a caneta fazendo um risco enorme na folha? JÁ IMAGINOU?" 

Leram o parágrafo acima? Pois bem, isso somos nós nos comunicando com ninguém mais, ninguém menos que nós mesmos durante a prova. O que foi? Quem consegue ficar tanto tempo sem se comunicar com alguém?

Primeiro quadrado, certo. Segundo quadrado, pronto. Terceiro quadra...o que? Não! Não era C era B! Certo... tudo bem. Vamos, assuma! Você sabia que o óculos estar com apenas uma perna não era a desculpa perfeita para deixá-lo em casa, aliás, por que você o deixou em casa? Tudo bem... não há razões para se preocupar, faltam apenas cinquenta e sete "quadradinhos"... Calma, tenha calma e paciência...

Quadrados? Quadradinhos? Alguém me responde em que lugar se encontram as tão famosas "bolinhas"?

Isabela C. Santos

Comentários

Gabi disse…
ASASAUAUAUAAUHSUAHUSAH'
Gostei, gostei! :D
Agora, só imagino a sua cara na hora de preencher esses quadradinhos...HAHA'
E... Porque deixaste o perneta em casa? Tadinho dele! 'o'

Beijão! :)
KSOKDSOKPSDPOKS'
Pois é, não tenho a mínima ideia!
disse…
Haha, adorei! Malditos quadradinhos... Beijo.
Nusz Isa eu tbm gikei imaginando o que ia acontecer se eerrase e pá!
Na vdd o mas dificil pra mim nessas provas é ter q ficar quieta :/ Mas os qudradinhos tbm conhecido com quadriculas de resposta são UMA TOORTUURAAAAAAAA!
BeijO's
Jèeh disse…
uashuashdahdsahd

è, odeio esses quadradinhos ><
sempre erro um tb

Pior é quando fala que tem que pinatr direitinho, até parece, né ? rabisco tudo de qualquer jeito mesmo :x
os quadradinhos me frustram. ¬¬'
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Rebeca disse…
Porque todas as provas estilo marcar quadradinhos que eu faço sao BOLINHAS?
Vou reinvidicar meus direitos! Tambem quero esses quadradinhos!
hahaha otimo texto ;)

beijinhos!
Wevertton disse…
Ola, achei seu blog, gostei e estou segundo! Quando puder passa la! Beijo
Bárbara Farias disse…
Oláá, adoreei seu blog e vou seguir.
bjão
www.barbarafarias.blospot.com
Rebeca disse…
Sexta eu fiz uma prova assim! Hahahaha
era de Biologia ;)

beijinhos!
Ah...as bolinhas também são irritantes, ainda mais quando o fiscal resolve aterrorizar todo mundo: "Não pode passar da linha!"

Enfim, desespero total.

Beeijos

Postagens mais visitadas deste blog

O lado ruim do carnaval

Confesso que não sou fã de carnaval e não quero mudar a idéia de ninguém, mas como estou vivendo minha tortura anual... vou compartilhar com vocês o lado ruim do carnaval!

1º Programação na televisão: não sei se na "tv paga" também, mas na aberta a programação fica horrível, só se fala de carnaval, dia e noite. Isso é uma verdadeira tortura pra quem não gosta.

2º Perigo nas ruas: o perigo sempre está por ai, mas no carnaval piora, acredite em mim. Brigam com pessoas por ai por nada, espancam jovens, batendo no corpo e principalmente na cabeça, o que pode deixar seqüelas gravíssimas e até levar a óbito.

3º Desrespeito: muitas pessoas tacam lama nos ônibus com janelas abertas e outros resolvem molhar pedestres por ai, sim, eu sei que fazem isso o ano todo, mas no carnaval piora.

4º Bobos na rua: acho que ninguém gosta de quando te dão aquele susto com "bombinhas" e outras coisas toda hora.

Achei que minha listinha ia ficar maior... ah, lembrei! Não é legal pra mim ficar …

Esta data

Esta data sempre me trará lembranças daquela noite e essas lembranças sempre me trarão a sensação de que foi ontem que tudo aconteceu. Datas têm o poder de nos fazer lembrar e as lembranças nos transportam no tempo. Eu sei, tudo muda, a vida segue. O modo como lidamos com o que sentimos também muda e as emoções que determinadas lembranças nos trazem também. Antes era apenas dor, a dor virou saudade, a saudade virou amor e gratidão. Tem coisa melhor do que sentir amor por alguém? Do que ser grato por ter sido tocado por uma vida? Eu sei, queremos eternizar tudo o que é bom, queremos prender, jamais deixar partir, mas isto não está em nossas mãos e apesar de não podermos segurar em nossas mãos aquilo que não queremos perder, depois de um tempo o que fica é a alegria de poder ao menos ter tido a presença de algo tão importante em nossas vidas.
Isabela C. Santos

8 anos

Em oito anos muita coisa pode mudar: o modo de ver a vida, o modo de falar sobre a vida, os assuntos relevantes, as pessoas importantes, os relacionamentos, o modo como nos colocamos diante dos outros, a visão sobre nós mesmos, o conhecimento que possuímos sobre nossos sentimentos... E isso é só o começo.
Em oito anos podemos passar por muitas reviravoltas, ou simplesmente (com muita luta), seguir nossos planos. Podemos, quase que de repente, dar-nos conta do que queremos para nossas vidas e nos ver em um lugar que jamais sonhamos. Talvez o novo lugar contribua para que mudemos a nossa visão de mundo, force-nos a sair da zona de conforto e quebrar um muro para podermos falar com os outros. Pode ser que "os outros" tornem-se "amigos".
Em oito anos, as reticências podem sumir e dar lugar ao nome do amor da sua vida. Pode ser que, coincidentemente, seja aquele seu amigo de infância. Amigo que antes a timidez não permitia nem mesmo chegar perto. Talvez os planos que u…