Pular para o conteúdo principal

Lembranças de uma criança

    Basta um passeio para relembrar os pequenos detalhes que marcaram minha infância. São detalhes bobos, que muitas vezes passam despercebidos e difíceis de serem considerados marcantes.

    O mercado que já mudou de nome me lembra da boneca que meus pais não deram, a casa com enfeites da Branca de Neve e os Sete Anões não passa despercebida todas as vezes que passo por ela (marcou meus seis anos de vida), o McDonald's não me permite esquecer as casquinhas mistas e as batatinhas no Shopping Pirituba, assim como este shopping, mesmo reformado, me trás lembranças do parquinho e dos peixes que ali já não existem mais.

   As crianças não me permitem esquecer o "tempo de EMEI", quando esqueci o nome da professora e a chamei de tia, tio, mãe, pai, vó e vô para ver se acertava, mas quando via que a cada palavra que dizia a expressão do rosto dela tornava-se mais estranha, percebia que não iria chegar a lugar algum, então desisti e ela me deixou ir ao banheiro.

  A época da "escolinha" também trás lembranças da primeira picada de marimbondo que levei por colocar a mão sobre o inseto malvado, o que me faz lembrar do filme Tarzan e todas as vezes em que peguei uma escova de cabelo para fingir que era um microfone e cantar a trilha sonora dos desenhos da Disney, assim como fazia com as aberturas das novelas mexicanas (com direito a dança e tudo).

   Gosto de relembrar, é divertido, geralmente acabo rindo sozinha enquanto ando na rua. São minhas primeiras experiências, cheias de pequenos erros que me ensinaram a viver e juntaram-se com outras histórias para não correrem o risco de tornarem-se insignificantes ou "ultrapassadas".

Isabela C. Santos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O lado ruim do carnaval

Confesso que não sou fã de carnaval e não quero mudar a idéia de ninguém, mas como estou vivendo minha tortura anual... vou compartilhar com vocês o lado ruim do carnaval!

1º Programação na televisão: não sei se na "tv paga" também, mas na aberta a programação fica horrível, só se fala de carnaval, dia e noite. Isso é uma verdadeira tortura pra quem não gosta.

2º Perigo nas ruas: o perigo sempre está por ai, mas no carnaval piora, acredite em mim. Brigam com pessoas por ai por nada, espancam jovens, batendo no corpo e principalmente na cabeça, o que pode deixar seqüelas gravíssimas e até levar a óbito.

3º Desrespeito: muitas pessoas tacam lama nos ônibus com janelas abertas e outros resolvem molhar pedestres por ai, sim, eu sei que fazem isso o ano todo, mas no carnaval piora.

4º Bobos na rua: acho que ninguém gosta de quando te dão aquele susto com "bombinhas" e outras coisas toda hora.

Achei que minha listinha ia ficar maior... ah, lembrei! Não é legal pra mim ficar …

Esta data

Esta data sempre me trará lembranças daquela noite e essas lembranças sempre me trarão a sensação de que foi ontem que tudo aconteceu. Datas têm o poder de nos fazer lembrar e as lembranças nos transportam no tempo. Eu sei, tudo muda, a vida segue. O modo como lidamos com o que sentimos também muda e as emoções que determinadas lembranças nos trazem também. Antes era apenas dor, a dor virou saudade, a saudade virou amor e gratidão. Tem coisa melhor do que sentir amor por alguém? Do que ser grato por ter sido tocado por uma vida? Eu sei, queremos eternizar tudo o que é bom, queremos prender, jamais deixar partir, mas isto não está em nossas mãos e apesar de não podermos segurar em nossas mãos aquilo que não queremos perder, depois de um tempo o que fica é a alegria de poder ao menos ter tido a presença de algo tão importante em nossas vidas.
Isabela C. Santos

8 anos

Em oito anos muita coisa pode mudar: o modo de ver a vida, o modo de falar sobre a vida, os assuntos relevantes, as pessoas importantes, os relacionamentos, o modo como nos colocamos diante dos outros, a visão sobre nós mesmos, o conhecimento que possuímos sobre nossos sentimentos... E isso é só o começo.
Em oito anos podemos passar por muitas reviravoltas, ou simplesmente (com muita luta), seguir nossos planos. Podemos, quase que de repente, dar-nos conta do que queremos para nossas vidas e nos ver em um lugar que jamais sonhamos. Talvez o novo lugar contribua para que mudemos a nossa visão de mundo, force-nos a sair da zona de conforto e quebrar um muro para podermos falar com os outros. Pode ser que "os outros" tornem-se "amigos".
Em oito anos, as reticências podem sumir e dar lugar ao nome do amor da sua vida. Pode ser que, coincidentemente, seja aquele seu amigo de infância. Amigo que antes a timidez não permitia nem mesmo chegar perto. Talvez os planos que u…