Pular para o conteúdo principal

Mentirinha social

    Renata acordou, espreguiçou-se e finalmente levantou. Um pouco de dor de cabeça, um pouco da cólica que dava o ar de sua graça todos os meses, uma imensa vontade de ficar em casa, dormir sem hora para acordar. Renata vestiu a roupa que sobrara no guarda-roupa, tomou o café da manhã correndo visualizando a lista de coisas que tinha para fazer (a metade da folha sulfite que ela havia separado para suas tarefas estava totalmente preenchida) e ficou um tanto desanimada. Escovou os dentes, lavou o rosto, passou o protetor solar, penteou os cabelos, calçou os sapatos que ganhara de natal no ano anterior, colocou ração e água nos potes de seu gato, Itálico. Finalmente saiu. Com mais cólica e dor de cabeça e a vontade de estar deitada aumentando, avistou a vizinha que havia lhe pego no colo quando era bebê. O que se seguiria ela sabia bem, a pergunta habitual que receberia a resposta  habitual (para dar essa resposta não precisava pensar, era só responder o que sempre se responde), a mentirinha social:

- Bom dia, menina! Tudo bem, Renatinha? 

- Oh, sim... Tudo bem! E a senhora?

- Bom... Bem, bem não estou... Estou levando, sabe? Acho que ninguém está bem mesmo. Acordei com uma dor no braço, menina! E essa noite quase não dormi. Meu filho disse que ia me levar no mercado essa semana, mas quebrou o pé. Agora você vê, olha minhas pernas, estão inchadas, doendo... Como vou ficar em pé na fila do mercado assim? Sem contar que é muito ruim quebrar o pé, é sim! Mas você está no mesmo trabalho?

- Ah... Que coisa, dona Gigi! Melhoras pro seu filho, e pra senhora também! Estou, estou no mesmo trabalho, até me atrasei! Ah, a gente pode ir no mercado amanhã à noite se a senhora quiser, agora já vou indo! Estou atrasada...

- Ah, Renatinha, que bom, eu estava aqui pensando no que ia fazer. Olha, já acabou tudo aqui de casa! 

- É bem complicado... Tchau, dona Gigi! Tenha um  bom dia!

    Aparente a mentirinha social vai perdendo a força com o tempo e em algumas situações. Mas e você, como vai?

Isabela C. Santos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O lado ruim do carnaval

Confesso que não sou fã de carnaval e não quero mudar a idéia de ninguém, mas como estou vivendo minha tortura anual... vou compartilhar com vocês o lado ruim do carnaval!

1º Programação na televisão: não sei se na "tv paga" também, mas na aberta a programação fica horrível, só se fala de carnaval, dia e noite. Isso é uma verdadeira tortura pra quem não gosta.

2º Perigo nas ruas: o perigo sempre está por ai, mas no carnaval piora, acredite em mim. Brigam com pessoas por ai por nada, espancam jovens, batendo no corpo e principalmente na cabeça, o que pode deixar seqüelas gravíssimas e até levar a óbito.

3º Desrespeito: muitas pessoas tacam lama nos ônibus com janelas abertas e outros resolvem molhar pedestres por ai, sim, eu sei que fazem isso o ano todo, mas no carnaval piora.

4º Bobos na rua: acho que ninguém gosta de quando te dão aquele susto com "bombinhas" e outras coisas toda hora.

Achei que minha listinha ia ficar maior... ah, lembrei! Não é legal pra mim ficar …

Esta data

Esta data sempre me trará lembranças daquela noite e essas lembranças sempre me trarão a sensação de que foi ontem que tudo aconteceu. Datas têm o poder de nos fazer lembrar e as lembranças nos transportam no tempo. Eu sei, tudo muda, a vida segue. O modo como lidamos com o que sentimos também muda e as emoções que determinadas lembranças nos trazem também. Antes era apenas dor, a dor virou saudade, a saudade virou amor e gratidão. Tem coisa melhor do que sentir amor por alguém? Do que ser grato por ter sido tocado por uma vida? Eu sei, queremos eternizar tudo o que é bom, queremos prender, jamais deixar partir, mas isto não está em nossas mãos e apesar de não podermos segurar em nossas mãos aquilo que não queremos perder, depois de um tempo o que fica é a alegria de poder ao menos ter tido a presença de algo tão importante em nossas vidas.
Isabela C. Santos

8 anos

Em oito anos muita coisa pode mudar: o modo de ver a vida, o modo de falar sobre a vida, os assuntos relevantes, as pessoas importantes, os relacionamentos, o modo como nos colocamos diante dos outros, a visão sobre nós mesmos, o conhecimento que possuímos sobre nossos sentimentos... E isso é só o começo.
Em oito anos podemos passar por muitas reviravoltas, ou simplesmente (com muita luta), seguir nossos planos. Podemos, quase que de repente, dar-nos conta do que queremos para nossas vidas e nos ver em um lugar que jamais sonhamos. Talvez o novo lugar contribua para que mudemos a nossa visão de mundo, force-nos a sair da zona de conforto e quebrar um muro para podermos falar com os outros. Pode ser que "os outros" tornem-se "amigos".
Em oito anos, as reticências podem sumir e dar lugar ao nome do amor da sua vida. Pode ser que, coincidentemente, seja aquele seu amigo de infância. Amigo que antes a timidez não permitia nem mesmo chegar perto. Talvez os planos que u…