Pular para o conteúdo principal

O básico não é o bastante

   Faz anos que nos deparamos com uma situação desagradável. Marcada pelas imagens de extremo contraste na cidade do Rio de Janeiro, a péssima distribuição de renda do Brasil envergonha o país e causa tristeza à população.

    Existem pessoas que acreditam que pobreza existe apenas quando há falta de alimento, na realidade, este é o grau mais sério da pobreza, a miséria. Para aqueles que foram privilegiados, ou melhor, não foram lesados por essa má distribuição de renda e possuem roupas novas quando necessário, investem em produtos considerados supérfluos e visitam parques de diversão com amigos e familiares, "o mais importante é suprir as necessidades básicas", "estes costumes não são necessários", "o que importa é ter o que comer". Pensam assim porque não passam vontades.

    Vontade de  comprar e não poder, a raridade de desfrutar de momentos prazerosos junto ao grupo de amigos em um cinema, são algumas restrições vividas por quem não passa fome, mas vive no vazio de satisfazer apenas necessidades biológicas. Estas necessidades são de grande importância mas é necessário ter prazer na vida.

    Em um país onde a riqueza se concentra em uma minoria a maioria não deve ficar calada e cabe a União tomar providencias para o benefício de toda a população.

Isabela C. Santos

Comentários

Fernando disse…
É minha cara amiga. O caso não é que as pessoas não tem a chance de enxergar. É que elas não querem enxergar. E quando não se quer enxergar se erra muito.

Meu beijo!
Re Sylva disse…
ola amei seu blog, estou te seguindo
me segue ?
bjs

diarioresylva.blogspot.com
. N i l . disse…
Acabei de te imaginar com uma bandana amarrada ne testa, uma bandeira na mão esquerda e um megafone na direita.

XD~

Postagens mais visitadas deste blog

O lado ruim do carnaval

Confesso que não sou fã de carnaval e não quero mudar a idéia de ninguém, mas como estou vivendo minha tortura anual... vou compartilhar com vocês o lado ruim do carnaval!

1º Programação na televisão: não sei se na "tv paga" também, mas na aberta a programação fica horrível, só se fala de carnaval, dia e noite. Isso é uma verdadeira tortura pra quem não gosta.

2º Perigo nas ruas: o perigo sempre está por ai, mas no carnaval piora, acredite em mim. Brigam com pessoas por ai por nada, espancam jovens, batendo no corpo e principalmente na cabeça, o que pode deixar seqüelas gravíssimas e até levar a óbito.

3º Desrespeito: muitas pessoas tacam lama nos ônibus com janelas abertas e outros resolvem molhar pedestres por ai, sim, eu sei que fazem isso o ano todo, mas no carnaval piora.

4º Bobos na rua: acho que ninguém gosta de quando te dão aquele susto com "bombinhas" e outras coisas toda hora.

Achei que minha listinha ia ficar maior... ah, lembrei! Não é legal pra mim ficar …

Esta data

Esta data sempre me trará lembranças daquela noite e essas lembranças sempre me trarão a sensação de que foi ontem que tudo aconteceu. Datas têm o poder de nos fazer lembrar e as lembranças nos transportam no tempo. Eu sei, tudo muda, a vida segue. O modo como lidamos com o que sentimos também muda e as emoções que determinadas lembranças nos trazem também. Antes era apenas dor, a dor virou saudade, a saudade virou amor e gratidão. Tem coisa melhor do que sentir amor por alguém? Do que ser grato por ter sido tocado por uma vida? Eu sei, queremos eternizar tudo o que é bom, queremos prender, jamais deixar partir, mas isto não está em nossas mãos e apesar de não podermos segurar em nossas mãos aquilo que não queremos perder, depois de um tempo o que fica é a alegria de poder ao menos ter tido a presença de algo tão importante em nossas vidas.
Isabela C. Santos

8 anos

Em oito anos muita coisa pode mudar: o modo de ver a vida, o modo de falar sobre a vida, os assuntos relevantes, as pessoas importantes, os relacionamentos, o modo como nos colocamos diante dos outros, a visão sobre nós mesmos, o conhecimento que possuímos sobre nossos sentimentos... E isso é só o começo.
Em oito anos podemos passar por muitas reviravoltas, ou simplesmente (com muita luta), seguir nossos planos. Podemos, quase que de repente, dar-nos conta do que queremos para nossas vidas e nos ver em um lugar que jamais sonhamos. Talvez o novo lugar contribua para que mudemos a nossa visão de mundo, force-nos a sair da zona de conforto e quebrar um muro para podermos falar com os outros. Pode ser que "os outros" tornem-se "amigos".
Em oito anos, as reticências podem sumir e dar lugar ao nome do amor da sua vida. Pode ser que, coincidentemente, seja aquele seu amigo de infância. Amigo que antes a timidez não permitia nem mesmo chegar perto. Talvez os planos que u…