Pular para o conteúdo principal

Sobre a infância

    Não vou dizer que minha infância foi melhor do que a das crianças de hoje em dia. Não vou dizer que o bichinho virtual e o videogame me impediram de brincar de boneca, tomar banho de chuva, de mangueira, brincar de bexiga d'água (e depois ficar com peso na consciência porque em algum lugar do mundo alguém iria querer aquela água que eu estava jogando fora). 

    Não vou dizer que a televisão me impediu de brincar com caixas de leite enfileiradas que recebiam nomes e se tornavam meus alunos (coitados, levavam tantas broncas da professora impaciente!). Também não direi que deixei de andar de bicicleta (e levar uns bons tombos até aprender), ir no parque, de brincar com areia, brincar no escorregador, na balança, no gira-gira e colocar feijão no algodão porque tinha uma boneca que ria quando eu passava a mão. 

   A infância, de uns bons tempos pra cá, tem mesmo a cara de ser boa. A pretensão de ser a melhor parte da vida. As crianças de hoje olharão para sua infância daqui alguns anos e dirão: "nossa, como foi boa a minha infância, se as crianças de hoje em dia soubessem o que é ser criança, iriam querer ter uma infância igual a que eu tive". A única coisa que me preocupa quanto a boa infância é o tempo. O tempo para que essas crianças deem asas às suas imaginações, brinquem porque querem brincar, sejam crianças. Que permitam às nossas crianças o tempo para que as suas infâncias sejam as melhores. Que esse peso do mundo adulto, que essa quase obrigação de se preparar para o futuro, não caia sobre nossas crianças.

Isabela C. Santos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O lado ruim do carnaval

Confesso que não sou fã de carnaval e não quero mudar a idéia de ninguém, mas como estou vivendo minha tortura anual... vou compartilhar com vocês o lado ruim do carnaval!

1º Programação na televisão: não sei se na "tv paga" também, mas na aberta a programação fica horrível, só se fala de carnaval, dia e noite. Isso é uma verdadeira tortura pra quem não gosta.

2º Perigo nas ruas: o perigo sempre está por ai, mas no carnaval piora, acredite em mim. Brigam com pessoas por ai por nada, espancam jovens, batendo no corpo e principalmente na cabeça, o que pode deixar seqüelas gravíssimas e até levar a óbito.

3º Desrespeito: muitas pessoas tacam lama nos ônibus com janelas abertas e outros resolvem molhar pedestres por ai, sim, eu sei que fazem isso o ano todo, mas no carnaval piora.

4º Bobos na rua: acho que ninguém gosta de quando te dão aquele susto com "bombinhas" e outras coisas toda hora.

Achei que minha listinha ia ficar maior... ah, lembrei! Não é legal pra mim ficar …

Um amorzinho

Dizem que quando a gente se torna mãe passa a ter só um assunto. Vou contar uma coisa: no meu caso isso não é tão longe da realidade.
Primeiro você descobre que está esperando um neném (e por mais que tenha noção não faz ideia da grandiosidade que isso significa), então passa a pesquisar sobre gravidez, o que se desenvolve em cada semana, os exames que devem ser feitos, os itens necessários para enxoval, o que ajuda na hora do parto e tenta se preparar para o que virá. É, a gente tenta.
Então o bebê nasce e a imersão que começou na gravidez se concretiza. A gente conta os intervalos das mamadas, das sonecas, comemora quando encontra o primeiro coco na fralda e se pega segurando uma coisinha que você nem acredita que saiu de você.
É, a vida muda completamente em meses.
E como deixar de falar do bebê? Não há como. Falar do bebê é aproveitar cada instante, é a chance de encontrar pessoas que passaram ou estão passando pelo que você passou. Falar do bebê é conseguir se entender nessa …

Pode ser?

Você viu quando segurei os teus cabelos? Você sentiu quando acariciei as suas costas? Percebeu como me aninhei junto ao teu corpo, como um lugar perfeito e aconchegante logo depois de mamar? Você ouviu o suspiro que dei enquanto dormia? Você observou os furinhos da minha mãozinha enquanto segurava o seu dedo e agarrava a sua blusa? Você viu o sorriso que dei enquanto te olhava da cadeirinha? Parece com aquele sorriso de quando você me dá bom dia. Você sentiu o cheirinho dos meus cabelos e a textura da minha pele? 
Olha, mamãe. 
Escuta minha risada, guarda o meu sorriso, registra a sensação de tocar a minha pele tão macia e de me ter pequenino em teus braços. Eu vou crescer, mamãe. Meus pés ficarão bem maiores, minha risada irá mudar e eu terei muito o que admirar. 
Aproveita, mamãe. 
Sabe, você tem uma coisinha colorida e iluminada nas mãos, parece tão legal quanto o meu mordedor, mas às vezes te olho e você não me vê, te toco e você nem percebe. Então você brinca, eu sorrio, logo o seu b…