Pular para o conteúdo principal

A vida é assim mesmo, a gente se confunde

Mariana tinha consulta às 8hrs no dentista em um local que demoraria duas horas para chegar (considerando o trânsito, a boa vontade dos passarinhos, a direção do vento e os passos das formigas). Como de costume, Mariana havia anotado a data na agenda, criado um lembrete no celular, avisado a avó, a mãe, o pai (que faria aniversário no mesmo dia), o gato, o cachorro e a plantinha do quintal. Acontece que ter que acordar às 5hrs era um evento e conseguir seria um milagre.

Pensando no que poderia fazer quando chegasse em casa, Mariana partiu às 6hrs para o consultório do dentista. Viu o ponto lotado, encantou-se com a neblina, esperou na fila errada no terminal de ônibus,  foi para o final da fila certa (ficava no limite com outra dimensão) esperou, esperou... Entrou no ônibus e ouvindo música começou a sorrir, feliz por tudo estar dando tão certo em sua vida, por mais que algumas coisas estivessem dando errado. 

Mariana chegou 20mins antes da consulta. Sentiu-se orgulhosa, muitíssimo orgulhosa. Geralmente chegava no último minuto de tolerância (isso quando não esquecia a consulta, como fez outra vez, mas aí já é outra história). Pensou ter todo o tempo do mundo e resolveu fazer uma horinha, ir no banheiro, beber água. Finalmente foi para o balcão, cumprimentou a recepcionista sorridente com um animado bom dia e entregou o cartão de consultas, esperando ouvir a moça dizer "está bem, Mariana, pode sentar e esperar ser chamada". Mas nem sempre o que a gente espera é o que acontece, não? No lugar de dizer o que Mariana sempre ouvia a recepcionista lhe perguntou que dia era. 

Tudo bem, aquela moça também deveria ter acordado cedo, as pessoas se confundem, não tem nada demais não saber em qual dia do mês estamos. 

Mariana respondeu a recepcionista, disse-lhe que era dia 14. A moça olhou o cartão de consultas, o computador e disse, com aquela expressão de quem tenta esconder o riso, que a consulta de Mariana era dia 19, quarta-feira. Mariana agradeceu, afinal, tudo bem, as pessoas se confundem. Entrou no elevador desejando que ele funcionasse corretamente e não brincasse com seu medo como fizera outras vezes. Saiu do prédio, andou em direção à loja de presentes... Cedo demais, estava fechada. Uma senhora perguntou se ela estava perdida, Mariana respondeu que não e agradeceu, sorrindo logo em seguida (ela sempre achou senhoras simpáticas uma graça). Sem escolha e sem estresse Mariana segue seu rumo, pensa se vai ler ou dormir, ler e dormir, dormir e comer... São tantas opções! 

Mariana acordou cedo, chegou em bom horário... A única coisa que errou foi o dia, pequeno detalhe. Talvez fosse uma boa ideia olhar o cartão de consultas antes de sair de casa. Deixa, a vida é assim mesmo, a gente se confunde.

Isabela C. Santos

Comentários

Marina disse…
Isso me lembra um dia que fui correndo para a escola e quando cheguei lá descobri que não tinha aula ^^

Adorei sua cronica!

Postagens mais visitadas deste blog

O lado ruim do carnaval

Confesso que não sou fã de carnaval e não quero mudar a idéia de ninguém, mas como estou vivendo minha tortura anual... vou compartilhar com vocês o lado ruim do carnaval!

1º Programação na televisão: não sei se na "tv paga" também, mas na aberta a programação fica horrível, só se fala de carnaval, dia e noite. Isso é uma verdadeira tortura pra quem não gosta.

2º Perigo nas ruas: o perigo sempre está por ai, mas no carnaval piora, acredite em mim. Brigam com pessoas por ai por nada, espancam jovens, batendo no corpo e principalmente na cabeça, o que pode deixar seqüelas gravíssimas e até levar a óbito.

3º Desrespeito: muitas pessoas tacam lama nos ônibus com janelas abertas e outros resolvem molhar pedestres por ai, sim, eu sei que fazem isso o ano todo, mas no carnaval piora.

4º Bobos na rua: acho que ninguém gosta de quando te dão aquele susto com "bombinhas" e outras coisas toda hora.

Achei que minha listinha ia ficar maior... ah, lembrei! Não é legal pra mim ficar …

Esta data

Esta data sempre me trará lembranças daquela noite e essas lembranças sempre me trarão a sensação de que foi ontem que tudo aconteceu. Datas têm o poder de nos fazer lembrar e as lembranças nos transportam no tempo. Eu sei, tudo muda, a vida segue. O modo como lidamos com o que sentimos também muda e as emoções que determinadas lembranças nos trazem também. Antes era apenas dor, a dor virou saudade, a saudade virou amor e gratidão. Tem coisa melhor do que sentir amor por alguém? Do que ser grato por ter sido tocado por uma vida? Eu sei, queremos eternizar tudo o que é bom, queremos prender, jamais deixar partir, mas isto não está em nossas mãos e apesar de não podermos segurar em nossas mãos aquilo que não queremos perder, depois de um tempo o que fica é a alegria de poder ao menos ter tido a presença de algo tão importante em nossas vidas.
Isabela C. Santos

8 anos

Em oito anos muita coisa pode mudar: o modo de ver a vida, o modo de falar sobre a vida, os assuntos relevantes, as pessoas importantes, os relacionamentos, o modo como nos colocamos diante dos outros, a visão sobre nós mesmos, o conhecimento que possuímos sobre nossos sentimentos... E isso é só o começo.
Em oito anos podemos passar por muitas reviravoltas, ou simplesmente (com muita luta), seguir nossos planos. Podemos, quase que de repente, dar-nos conta do que queremos para nossas vidas e nos ver em um lugar que jamais sonhamos. Talvez o novo lugar contribua para que mudemos a nossa visão de mundo, force-nos a sair da zona de conforto e quebrar um muro para podermos falar com os outros. Pode ser que "os outros" tornem-se "amigos".
Em oito anos, as reticências podem sumir e dar lugar ao nome do amor da sua vida. Pode ser que, coincidentemente, seja aquele seu amigo de infância. Amigo que antes a timidez não permitia nem mesmo chegar perto. Talvez os planos que u…