Dorme que passa

    Doía-lhe a cabeça, latejavam-lhe os olhos. Por mais que o dia não tivesse sido longo, por mais que não tivesse enfrentado o trânsito, por mais que não tivesse posto os pés na rua e tivesse permanecido em casa, estava com dor. Disseram-lhe que era de tanto pensar. Será? 

    Seguiu o que sua mãe sempre dizia: "dorme que a dor de cabeça passa". Na verdade tentou seguir, mas ficou pensando e o sono fugiu para um lugar distante. Se o motivo da dor de cabeça não era de tanto pensar, esse ficou sendo o motivo de sua permanência.

Isabela C. Santos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O lado ruim do carnaval

8 anos

Meu presente