Pular para o conteúdo principal

Poderia falar sobre muitas coisas, mas hoje o assunto é a morte

Este não é nem de longe o tipo de texto que costumo postar, mas hoje nossa conversa será sobre algo que quase não falo, mas que todos pensam: a morte.

Quem nunca pensou na morte?!

O que dizem é que se você perguntar a uma criança sobre a morte ela lhe dará respostas mais simples do que um adulto. Nunca fiz isto, mas não duvido. Sabe, não duvido pelo simples fato de que as crianças enxergam o mundo de outra maneira, com outros olhos.

Talvez a leveza da vida fique para outro texto, porque a morte carrega um peso, sofrimento. Mas faz parte da vida: a despedida.

Nós nos despedimos. Dizemos "até logo" contando com planos que esperamos que se realizem, mas de nada sabemos. 

É sermos levados pela correria que planejamos toda a nossa vida, o que faremos em tal e tal dia. Ótimo ter planos! Acho ótimo mesmo! Mas nos levamos tão fácil... Acabamos na ilusão de que temos o controle sobre a vida. E de repente... Chega a notícia de que alguém veio a falecer. Ai!

Somos frágeis. 

Se tem algo que nos lembra do quanto somos frágeis é a morte.

O que sei, meu bem, é que a vida é frágil e o tempo passa cada vez mais rápido. O que não sei, meu bem, é do amanhã.

Hoje soube que um moço com quem conversei num ponto de ônibus ano passado faleceu. Fiquei chocada. Falei com ele apenas uma vez, um daqueles diálogos que marcam pelo curto tempo e por poucas palavras que fazem pensar. Eu seria capaz de escrever este diálogo, mas não vem ao caso.

Parei para pensar nas pessoas com quem tive esses diálogos curtos nestes meus 20 anos. Onde estarão? Quantas daquelas pessoas estão vivas?


Isabela C. Santos

Comentários

Marina disse…
Eu andei pensando nisso nesse fim de semana também. Um tio e o vizinho dele sofreram um acidente de moto (em dias diferentes!), não foi grave, mas essas coisas fazem a gente pensar. A vida é tão frágil, e mesmo sabendo disse a gente ainda precisa de uns acontecimentos pra realmente cair a ficha.
E por mais que caia a ficha a gente ainda chega a quase esquecer e acaba levando outros sustos de tempos em tempos, é impressionante.
Gugu Keller disse…
O tique-taque que ouvimos rindo são os passos da morte vindo.
GK
E já que ela vem... Bom é rir mesmo!

Postagens mais visitadas deste blog

O lado ruim do carnaval

Confesso que não sou fã de carnaval e não quero mudar a idéia de ninguém, mas como estou vivendo minha tortura anual... vou compartilhar com vocês o lado ruim do carnaval!

1º Programação na televisão: não sei se na "tv paga" também, mas na aberta a programação fica horrível, só se fala de carnaval, dia e noite. Isso é uma verdadeira tortura pra quem não gosta.

2º Perigo nas ruas: o perigo sempre está por ai, mas no carnaval piora, acredite em mim. Brigam com pessoas por ai por nada, espancam jovens, batendo no corpo e principalmente na cabeça, o que pode deixar seqüelas gravíssimas e até levar a óbito.

3º Desrespeito: muitas pessoas tacam lama nos ônibus com janelas abertas e outros resolvem molhar pedestres por ai, sim, eu sei que fazem isso o ano todo, mas no carnaval piora.

4º Bobos na rua: acho que ninguém gosta de quando te dão aquele susto com "bombinhas" e outras coisas toda hora.

Achei que minha listinha ia ficar maior... ah, lembrei! Não é legal pra mim ficar …

Esta data

Esta data sempre me trará lembranças daquela noite e essas lembranças sempre me trarão a sensação de que foi ontem que tudo aconteceu. Datas têm o poder de nos fazer lembrar e as lembranças nos transportam no tempo. Eu sei, tudo muda, a vida segue. O modo como lidamos com o que sentimos também muda e as emoções que determinadas lembranças nos trazem também. Antes era apenas dor, a dor virou saudade, a saudade virou amor e gratidão. Tem coisa melhor do que sentir amor por alguém? Do que ser grato por ter sido tocado por uma vida? Eu sei, queremos eternizar tudo o que é bom, queremos prender, jamais deixar partir, mas isto não está em nossas mãos e apesar de não podermos segurar em nossas mãos aquilo que não queremos perder, depois de um tempo o que fica é a alegria de poder ao menos ter tido a presença de algo tão importante em nossas vidas.
Isabela C. Santos

8 anos

Em oito anos muita coisa pode mudar: o modo de ver a vida, o modo de falar sobre a vida, os assuntos relevantes, as pessoas importantes, os relacionamentos, o modo como nos colocamos diante dos outros, a visão sobre nós mesmos, o conhecimento que possuímos sobre nossos sentimentos... E isso é só o começo.
Em oito anos podemos passar por muitas reviravoltas, ou simplesmente (com muita luta), seguir nossos planos. Podemos, quase que de repente, dar-nos conta do que queremos para nossas vidas e nos ver em um lugar que jamais sonhamos. Talvez o novo lugar contribua para que mudemos a nossa visão de mundo, force-nos a sair da zona de conforto e quebrar um muro para podermos falar com os outros. Pode ser que "os outros" tornem-se "amigos".
Em oito anos, as reticências podem sumir e dar lugar ao nome do amor da sua vida. Pode ser que, coincidentemente, seja aquele seu amigo de infância. Amigo que antes a timidez não permitia nem mesmo chegar perto. Talvez os planos que u…