Pular para o conteúdo principal

O dia em que quase fiquei rouca

As vezes penso: os jogadores poderiam ter algum tipo de compaixão, solidariedade ou dó da minúscula torcida notória daquele fraco time atualmente perdedor?

Como é costume em várias outras escolas, houve um campeonato entre as classes do período da manhã em minha escola neste mês de novembro; me empolguei em contar para vocês o resultado.

Foram dadas notas para as decorações das salas. Nossa nota? 6,0.
Nos pediram para criar um grito de guerra. Nosso grito de guerra? Digamos que ele seja um tanto diferente e talvez por isso não foi cantado por nossa imensa torcida de sete ou oito pessoas no momento do jogo.

"Ã, ã, ã!
Eu como croaçã!"

A autora do grito de guerra? Bel, a baixinha querida por muita gente.
Como em todo jogo, tivemos uma pontuação final. O número de gols feitos por nós? Apenas um, conquistado com muita garra, esforço e dedicação em um penalti seguido por duas tentativas frustradas de gol na mesma situação.
O time adversário também marcou gol. Quantos? Apenas onze... nada demais.

Vocês leram certo: ONZE A UM!

Assim que Portugal, o time adversário, marcou o sexto gol nós começamos a torcer, torcer, torcer e torcer! Com um grito de guerra inventado por Lily (a louca doida), e que expressava ao máximo o pensamento da torcida com as mãos sujas de tinta de papel crepom! Nós nos levantamos, pulamos e gritamos em uníssono:

"Pode perder,
 pode cair!
A gente sempre
 vai tá aqui!"

Oh sim meus caros leitores! Nós fomos a única torcida a dar um grito de derrota! Esta torcida que poderia ser chamada de rosa-choque por só conter mulheres! Essa torcida que quase caiu da arquibancada e quase ficou rouca.

Após esta  pequena e imperceptível derrota, passei a torcer para Portugal, afinal, eles jogaram bem! E depois para o Brasil, Itália, Espanha, Egito... Acredito que não falte mais nenhum.

Não vejo hora de chegar o fim do ano que vem para que eu possa suar outra vez arrumando a decoração da sala junto com o pessoal e para que eu possa torcer para aquele time que não está nem ai se perder!

Estou com vocês garotos(que aliás, não lerão isso aqui)! Afinal, como dizia aquela velha música:

"Pode perder, 
pode cair!
A gente sempre 
vai tá aqui!"


Isabela C. Santos

Comentários

Jèeh disse…
é otimo saber que existam pessoas que não mudam "de lado" porque perdeu uma vez :)

Afinal, se aprende com a queda, né ?

beijos :*
Gabi disse…
Err...
Corrigindo: Não foi oito a um e sim, ONZE A UM! '-'
KSPOKDSPOKDSO'
Detalhes Gabi, detalhes... xP
B' disse…
11 x 1
Mas quem liga? O que importa é:

"Ã, ã, ã!

Eu como croaçã!"
Amanda Frois disse…
ooooooi menina!
eu não sei que doce que mamãe passou em mim, porque eu sempre acabo torcendo pro time que perde :S

hsuaihsiuahsuiahsuia,
mas isso a getne supera!

mas eu perco a voz, perco o jogo, mas não troco de time não ;x

só ha uma exceção, finalmente!
sou FLAMENGUISTA!
shuahsuaihsuiahsa, futuro campeão brasileiro!

bjs ;*'
disse…
Pra perder ou pra ganhar, o importante é saber competir... Adorei a iniciativa de vocês! Beijo.
é verdade pra perder ou pra ganhar o importante é saber competir =)

Me desculpa não ter passado aqi antes é q eu vi o seu comentario sobre as pulseiras do cu q vc fez só hoje =/
Mais é mesmo muitas meninas não sabem essa brincadeira britanica =)

Bjs até

Math Lípari

Postagens mais visitadas deste blog

O lado ruim do carnaval

Confesso que não sou fã de carnaval e não quero mudar a idéia de ninguém, mas como estou vivendo minha tortura anual... vou compartilhar com vocês o lado ruim do carnaval!

1º Programação na televisão: não sei se na "tv paga" também, mas na aberta a programação fica horrível, só se fala de carnaval, dia e noite. Isso é uma verdadeira tortura pra quem não gosta.

2º Perigo nas ruas: o perigo sempre está por ai, mas no carnaval piora, acredite em mim. Brigam com pessoas por ai por nada, espancam jovens, batendo no corpo e principalmente na cabeça, o que pode deixar seqüelas gravíssimas e até levar a óbito.

3º Desrespeito: muitas pessoas tacam lama nos ônibus com janelas abertas e outros resolvem molhar pedestres por ai, sim, eu sei que fazem isso o ano todo, mas no carnaval piora.

4º Bobos na rua: acho que ninguém gosta de quando te dão aquele susto com "bombinhas" e outras coisas toda hora.

Achei que minha listinha ia ficar maior... ah, lembrei! Não é legal pra mim ficar …

Esta data

Esta data sempre me trará lembranças daquela noite e essas lembranças sempre me trarão a sensação de que foi ontem que tudo aconteceu. Datas têm o poder de nos fazer lembrar e as lembranças nos transportam no tempo. Eu sei, tudo muda, a vida segue. O modo como lidamos com o que sentimos também muda e as emoções que determinadas lembranças nos trazem também. Antes era apenas dor, a dor virou saudade, a saudade virou amor e gratidão. Tem coisa melhor do que sentir amor por alguém? Do que ser grato por ter sido tocado por uma vida? Eu sei, queremos eternizar tudo o que é bom, queremos prender, jamais deixar partir, mas isto não está em nossas mãos e apesar de não podermos segurar em nossas mãos aquilo que não queremos perder, depois de um tempo o que fica é a alegria de poder ao menos ter tido a presença de algo tão importante em nossas vidas.
Isabela C. Santos

8 anos

Em oito anos muita coisa pode mudar: o modo de ver a vida, o modo de falar sobre a vida, os assuntos relevantes, as pessoas importantes, os relacionamentos, o modo como nos colocamos diante dos outros, a visão sobre nós mesmos, o conhecimento que possuímos sobre nossos sentimentos... E isso é só o começo.
Em oito anos podemos passar por muitas reviravoltas, ou simplesmente (com muita luta), seguir nossos planos. Podemos, quase que de repente, dar-nos conta do que queremos para nossas vidas e nos ver em um lugar que jamais sonhamos. Talvez o novo lugar contribua para que mudemos a nossa visão de mundo, force-nos a sair da zona de conforto e quebrar um muro para podermos falar com os outros. Pode ser que "os outros" tornem-se "amigos".
Em oito anos, as reticências podem sumir e dar lugar ao nome do amor da sua vida. Pode ser que, coincidentemente, seja aquele seu amigo de infância. Amigo que antes a timidez não permitia nem mesmo chegar perto. Talvez os planos que u…