Pular para o conteúdo principal

Um ano e meio

    Em um ano e meio descobri que poderia fazer coisas que em minha própria imaginação pareciam impossíveis, assim como aconteceu comigo vi pessoas evoluírem.

    Talvez há quem pense que muitas coisas não foram percebidas por outras pessoas, mas acreditem, muitas coisas me marcaram e/ou me fizeram rir.

    Quem sabe um dia, quando estiver bem velhinha, vou dizer para os meus netos que vi uma sala praticamente só com meninas por alguns minutos, simplesmente porque a maioria dos meninos estavam sendo advertidos por brincar de aviãozinho de papel em plena aula de psicologia. Pode ser que eu conte como foi engraçado quando uma das meninas mais tímidas do curso resolveu nos contar, em um seminário, algumas observações do comercial da Coca-Cola. Como se não bastasse, vou lhes contar a criatividade de uma das garotas ao argumentar em uma dinâmica que não poderia sair do banco porque estava com uma criança de colo, era idosa, e tinha sofrido um trágico acidente em sua gravidez. Talvez conte sobre minha amiga abacaxi, sobre o talento de uma  outra amiga muito querida (futura jornalista) para escrever, sobre o modo como vi as preferências artísticas de outra amiga mudar, ou como os trabalhos eram organizados por outra, a atenção dada por outra a esmaltes, canetas e maquiagens (o blush saúde que o diga!),o jeito louco de uma outra que sempre desaparecia na hora da foto em grupo.

    Sei que vou lembrar das noites em que fiquei acordada, das cenas dignas de novela mexicana quando nada dava certo e dos vídeos de motivação de uma professora que admiro muito.

   Talvez, depois de tantas coisas, eu deva ficar em silêncio, calma, pegar essa ideia e aproveitar o período da meia noite às seis horas da manhã, mas não para ficar acordada, para dormir mesmo, afinal, quem sabe nos sonhos, eu reviva alguns momentos marcantes da minha vida.

Isabela C. Santos

Comentários

Ariiiane Andrade disse…
Fiqueii emocionada Isa, e prioncipalmente maravilhada em ter expresado a nossa história no decorrer do curso , voce não imagiina a falta que sentirei de voce amiga, desse seu jeitinho meigo e carismátiico em dar belas risadas falando sobre coiisas sem sentindo comigo, mas é isso que me fez gostar mais e mais de voce...EU AMO VOCE BELLA
Isac Avanci disse…
Nossa, acho que é exatamente assim que ficarei daqui 1 ano... Relembrando cenas e escrevendo sobre os 'causos'... Muito bacana...

Postagens mais visitadas deste blog

O lado ruim do carnaval

Confesso que não sou fã de carnaval e não quero mudar a idéia de ninguém, mas como estou vivendo minha tortura anual... vou compartilhar com vocês o lado ruim do carnaval!

1º Programação na televisão: não sei se na "tv paga" também, mas na aberta a programação fica horrível, só se fala de carnaval, dia e noite. Isso é uma verdadeira tortura pra quem não gosta.

2º Perigo nas ruas: o perigo sempre está por ai, mas no carnaval piora, acredite em mim. Brigam com pessoas por ai por nada, espancam jovens, batendo no corpo e principalmente na cabeça, o que pode deixar seqüelas gravíssimas e até levar a óbito.

3º Desrespeito: muitas pessoas tacam lama nos ônibus com janelas abertas e outros resolvem molhar pedestres por ai, sim, eu sei que fazem isso o ano todo, mas no carnaval piora.

4º Bobos na rua: acho que ninguém gosta de quando te dão aquele susto com "bombinhas" e outras coisas toda hora.

Achei que minha listinha ia ficar maior... ah, lembrei! Não é legal pra mim ficar …

Esta data

Esta data sempre me trará lembranças daquela noite e essas lembranças sempre me trarão a sensação de que foi ontem que tudo aconteceu. Datas têm o poder de nos fazer lembrar e as lembranças nos transportam no tempo. Eu sei, tudo muda, a vida segue. O modo como lidamos com o que sentimos também muda e as emoções que determinadas lembranças nos trazem também. Antes era apenas dor, a dor virou saudade, a saudade virou amor e gratidão. Tem coisa melhor do que sentir amor por alguém? Do que ser grato por ter sido tocado por uma vida? Eu sei, queremos eternizar tudo o que é bom, queremos prender, jamais deixar partir, mas isto não está em nossas mãos e apesar de não podermos segurar em nossas mãos aquilo que não queremos perder, depois de um tempo o que fica é a alegria de poder ao menos ter tido a presença de algo tão importante em nossas vidas.
Isabela C. Santos

8 anos

Em oito anos muita coisa pode mudar: o modo de ver a vida, o modo de falar sobre a vida, os assuntos relevantes, as pessoas importantes, os relacionamentos, o modo como nos colocamos diante dos outros, a visão sobre nós mesmos, o conhecimento que possuímos sobre nossos sentimentos... E isso é só o começo.
Em oito anos podemos passar por muitas reviravoltas, ou simplesmente (com muita luta), seguir nossos planos. Podemos, quase que de repente, dar-nos conta do que queremos para nossas vidas e nos ver em um lugar que jamais sonhamos. Talvez o novo lugar contribua para que mudemos a nossa visão de mundo, force-nos a sair da zona de conforto e quebrar um muro para podermos falar com os outros. Pode ser que "os outros" tornem-se "amigos".
Em oito anos, as reticências podem sumir e dar lugar ao nome do amor da sua vida. Pode ser que, coincidentemente, seja aquele seu amigo de infância. Amigo que antes a timidez não permitia nem mesmo chegar perto. Talvez os planos que u…