Pular para o conteúdo principal

Passado presente

    Talvez depois de um tempo você se pergunte o que, afinal, aconteceu. Talvez você tente lembrar de tudo, exatamente como foi, para não haver erros. Talvez você peça para que as pessoas refresquem sua memória e lhe conte o que você falou. Talvez você procure por rastros do que você pensou, sabe, alguma anotação no bloco de notas ao lado do telefone, nas folhas do seu caderno ou no celular. Talvez você tente lembrar do antes sem que o agora interfira, mas será tarde demais. Sua memória já terá apagado parte dos acontecimentos e você preencherá os espaços vazios com o que você provavelmente pensou, provavelmente sentiu, provavelmente falou e provavelmente fez. Mas o que provavelmente deve acontecer nem sempre acontece. E então, quando finalmente você se deixar perder nas lembranças tentando reconstruir aquele momento, irá fracassar.
 
    O que nos resta hoje não são lembranças puras. A memória nos traiu, não adianta tentar esconder, já não há como lembrar de tudo exatamente como foi, estamos recriando nosso passado aos poucos, nos pontos que nossas lembranças nos permitem porque, se em parte esquecemos e criamos, em parte há detalhes que não se apagam. Pouco a pouco as coisas mudam, nós mudamos. Mudamos o modo como nos vemos, como vemos as coisas e, sem quase nos darmos conta, mudamos o sentido dos acontecimentos da nossa história.
 
    Então mesmo que você tente por horas tentar lembrar o que, afinal, aconteceu, você não irá conseguir. Aquele momento se foi, você não o verá da mesma forma, já o recriou, não é mais a mesma pessoa que o viveu. Nós mudamos, meu bem. Nós nos reinventamos e não há nada de ruim nisso, pelo contrário, existe aí uma beleza: é bonito podermos mudar, pouco a pouco, sabendo que não somos os mesmos, mas de alguma forma ainda somos quem sempre fomos porque tudo aquilo que vivemos ainda parece ser tão... nosso.
 
Isabela C.Santos

Comentários

Gugu Keller disse…
Nada muda mais do que o passado.
GK
Anônimo disse…
Escreva com mais frequência, please... Sei que é difícil de vir ideias na mente, mas é que seus textos são ótimos!!!

Postagens mais visitadas deste blog

O lado ruim do carnaval

Confesso que não sou fã de carnaval e não quero mudar a idéia de ninguém, mas como estou vivendo minha tortura anual... vou compartilhar com vocês o lado ruim do carnaval!

1º Programação na televisão: não sei se na "tv paga" também, mas na aberta a programação fica horrível, só se fala de carnaval, dia e noite. Isso é uma verdadeira tortura pra quem não gosta.

2º Perigo nas ruas: o perigo sempre está por ai, mas no carnaval piora, acredite em mim. Brigam com pessoas por ai por nada, espancam jovens, batendo no corpo e principalmente na cabeça, o que pode deixar seqüelas gravíssimas e até levar a óbito.

3º Desrespeito: muitas pessoas tacam lama nos ônibus com janelas abertas e outros resolvem molhar pedestres por ai, sim, eu sei que fazem isso o ano todo, mas no carnaval piora.

4º Bobos na rua: acho que ninguém gosta de quando te dão aquele susto com "bombinhas" e outras coisas toda hora.

Achei que minha listinha ia ficar maior... ah, lembrei! Não é legal pra mim ficar …

Esta data

Esta data sempre me trará lembranças daquela noite e essas lembranças sempre me trarão a sensação de que foi ontem que tudo aconteceu. Datas têm o poder de nos fazer lembrar e as lembranças nos transportam no tempo. Eu sei, tudo muda, a vida segue. O modo como lidamos com o que sentimos também muda e as emoções que determinadas lembranças nos trazem também. Antes era apenas dor, a dor virou saudade, a saudade virou amor e gratidão. Tem coisa melhor do que sentir amor por alguém? Do que ser grato por ter sido tocado por uma vida? Eu sei, queremos eternizar tudo o que é bom, queremos prender, jamais deixar partir, mas isto não está em nossas mãos e apesar de não podermos segurar em nossas mãos aquilo que não queremos perder, depois de um tempo o que fica é a alegria de poder ao menos ter tido a presença de algo tão importante em nossas vidas.
Isabela C. Santos

8 anos

Em oito anos muita coisa pode mudar: o modo de ver a vida, o modo de falar sobre a vida, os assuntos relevantes, as pessoas importantes, os relacionamentos, o modo como nos colocamos diante dos outros, a visão sobre nós mesmos, o conhecimento que possuímos sobre nossos sentimentos... E isso é só o começo.
Em oito anos podemos passar por muitas reviravoltas, ou simplesmente (com muita luta), seguir nossos planos. Podemos, quase que de repente, dar-nos conta do que queremos para nossas vidas e nos ver em um lugar que jamais sonhamos. Talvez o novo lugar contribua para que mudemos a nossa visão de mundo, force-nos a sair da zona de conforto e quebrar um muro para podermos falar com os outros. Pode ser que "os outros" tornem-se "amigos".
Em oito anos, as reticências podem sumir e dar lugar ao nome do amor da sua vida. Pode ser que, coincidentemente, seja aquele seu amigo de infância. Amigo que antes a timidez não permitia nem mesmo chegar perto. Talvez os planos que u…